quarta-feira, janeiro 22, 2014

Negócios: a estratégia da aranha

A aranha é um bichinho interessante e temos a aprender muito com ela. Ela existe em todos os continentes, menos no gelo, e pode sobreviver longos períodos em jejum.

A maioria delas tem mais de um par de olhos e algumas enxergam até no escuro, mas os olhos não são seus únicos recursos sensoriais. É bastante engenhosa na arte de capturar suas presas com o mínimo de esforço. A principal tática é tecer uma estrutura adesiva muito resistente e biodegradável na rota de suas vítimas (elas manjam muito de geomarketing). Mas não é só isso. Algumas espécies também inoculam veneno.

Suas sensíveis pernas peludas (aranhas não são metrossexuais) sabem interpretar  vibrações na superfície e ar e avaliar o status e porte da presa por essas oscilações ao redor. As aranhas também identificam sensações similares a cheiro e paladar com seus receptores químicos.  Ou seja, lidam bem com big data.  
Aranhas cumprem uma “função social”. Sem elas, a população de insetos seria muito maior, comprometendo vários ecossistemas.

Centros de pesquisa já buscam inspiração nas teias para desenvolver materiais sintéticos que imitam a leveza e resistência das teias. Outros pesquisam o veneno delas para criar inseticidas “orgânicos”.


Versatilidade, criatividade, resiliência, “consciência ambiental”, capacidade analítica, consistência, eficácia e efetividade.  

O comportamento de uma aranha daria uma ótima tese sobre estratégia de negócios. 

2 comentários:

João El Helou disse...

E as aranhas dançam Rock.

João El Helou disse...

E as aranhas gostam de Rock.