quarta-feira, julho 18, 2012

Pessoa jurídica? Não, somente pessoa mesmo


Pessoa jurídica

Já escrevi neste blog minha discordância sobre a comparação de uma organização com o corpo humano. No corpo humano, os órgãos buscam compensar, solidária e automaticamente, a deficiência de outro órgão, no limite de suas capacidades e atribuições. Assim os demais sentidos se tornam mais aguçados em um cego, e o paraplégico, pela força das circunstâncias, desenvolve bíceps de um Mister Universo. É a lei da compensação.  

Nas organizações não é bem assim.

Cada gestor defende caninamente seus interesses e ninguém quer dar um braço a torcer. O empregado quer ganhar mais, e o patrão quer pagar menos.  O marketing quer personalizar tudo e o gerente de fábrica defende uma linha de montagem massificada, mais fácil de operar. E por aí vai. Cada um na sua,  remando o mesmo barco para uma direção diferente.

Agora tenho minha própria teoria. Outros autores devem ter proposto hipóteses muito melhores e fundamentadas, mas, para mim, as empresas deveriam ser administradas e entendidas  mesmo como pessoas físicas, dotadas de uma personalidade (cultura) e identidade (marca)  e não como pessoas jurídicas. O desafio dos gestores seria tornar essa entidade corporativa uma pessoa melhor a cada dia. Mais sábia, mais competente, mais sensível, mais humana.  E não como um monte de esquizoides lutando por seus feudos.

Essa abordagem - até ingênua e romântica, confesso -  facilitaria muito as coisas para todas as partes. Principalmente se os gestores tomarem as decisões baseadas numa diretriz tão simplória que meus dedos chegam até a doer enquanto teclo: “não faça com os outros  o que não gostaria que fizessem com você”.

Sua empresa está na dúvida se vai lançar um produto? Simples. Basta fazer a seguinte pergunta: “Eu daria esse troço para meu filho?”  Ou: “Eu me sentiria ridículo agindo como sugere a  propaganda que está na minha mesa para ser aprovada?”. Se a empresa como um todo pensar assim – como qualquer pessoa bem intencionada faz – o mundo corporativo seria muito diferente.

Raciocínios como esse eliminariam muitas decisões equivocadas e economizariam muito dinheiro.

Como qualquer pessoa almeja.

4 comentários:

disse...

Cara, excelente seu post. Chega a ser lindo de tão idealista. Faz muito tempo que acompanho seu trabalho e nunca tinha comentado nada, mas acho uma covardia um texto tão bom passar em branco. Parabéns!

disse...

Muito bom seu texto! Chega a ser lindo de tão idealista! Faz muito tempo que acompanho seu trabalho, mas nunca tinha comentado nada até hoje. E só comentei pq achei covardia um texto tão bonito passando em branco. Parabéns!

disse...

Desculpa mandar o comentário duas vezes. Não vi que a moderação estava ativada e achei que vc n tinha recebido, então dei ouvido ao meu lado paranoico e mandei novamente. Ainda bem que ouvi a razão e decidi dar uma olhada na página, senão estava arriscado eu passar a noite inteira enviando o mesmo comentário.

Rafael Junio disse...

"Se"
Não sei porque, tenho um caso de amor e ódio com essa palavra.