quinta-feira, agosto 12, 2010

Dia da Mentira - Parte 2

- Pois não? - animou-se o juiz.
- Tenho de corrigir meu depoimento - asseverou o réu.
- Como assim?
- Eu havia dito ao outro juiz que não era responsável pela morte de uma pessoa. Não era verdade. Assumo o que fiz.
- Mas o que fez o senhor mudar de ideia?
- Sabe, doutor, na cadeia me converti. E não quero saber de carregar esta culpa toda para sempre. Quero pagar tudo aqui mesmo e ficar quites.
- Muito bem. Mas por que o senhor matou...(consultando os autos)...fulano?
- Ele devia grana para mim. E eu tinha um nome a zelar, né doutor? A gente tem de impor respeito nesse negócio de drogas, se não os "nóia" dão "cambau" na gente.
- E o que o senhor fez?
- Amarrei ele no para-choque do carro e o arrastei para cima e para baixo pela vila.
- E o senhor quer que essa confissão conste dos autos?
- Sim, o senhor conta para o outro juiz?
- Claro, um momento (sai da sala e liga para o outro magistrado). Siclano, tudo bem? É sobre o caso do Beltrano. Ele acaba de confessar um crime e pede para acrescentar nos autos. Você pode dar um pulo aqui, no meu gabinete?
- Agora não posso. Estou no meio do tribunal. Tome nota para mim, por favor, depois resolvo! Obrigado.
Assim procedeu o magistrado em favor do colega e mandou recolher o réu confesso ao xadrez. O traficante estava resignado, a mansidão em pessoa.
Naquele Dia da Mentira foi a primeira vez que aquele juiz ouviu uma verdade.

Nenhum comentário: