sábado, janeiro 23, 2010

A indústria cultural e eu

A indústria do entretenimento não difere dos outros tipos de indústria. Substitua o novo sabão em pó por um filme, uma banda ou livro e dá na mesma. Tudo é produto. Elas só pensam em tirar dinheiro do bolso do consumidor. Prova disso é que a qualidade de um filme é ranqueada pela indústria por bilheteria e não por méritos estéticos, por exemplo. Ou você acha que elas estão nessa pela "arte"?

A indústria do entretenimento tem algo pior que as demais irmãs. Não está muito preocupada com a qualidade ou os efeitos colaterais dos produtos que lança. Uma montadora de carros pode ser multada por poluir o ambiente ou por usar mão-de-obra escrava. Ou ainda é obrigada a fazer recall de peças defeituosas.

Mas que tipo de multa pode ser aplicada a um estúdio de cinema que faz um filme que incita à violência ou faz apologia do mau-caratismo? Ou para uma estrela de rock que incentiva pré-adolescentes a agirem como %$#@&*? Não tem recall para esta tralha toda que é usada para fazer lavagem cerebral.

Antes eu tentava acompanhar a cascata de lançamentos porque isso era ser "in". Gastei os tubos. Até que a fonte secou. Ou eu pagava o condomínio ou comprava discos. A opção foi óbvia. Mas foi bom. Não me sinto mais pressionado a comprar "a nova banda com atitude do momento".

E hoje só compro o sabão em pó.

Um comentário:

Carlão Pacheco disse...

Eu não. Eu baixo. Se não gostar, deleto. É a minha multa pra eles. Bom, o sabão em pó, que nem vc, continuo comprando.