sexta-feira, maio 22, 2009

Memórias da caserna: Lula x Collor

Novembro de 1989.  Às vésperas da eleição que colocaria Collor na Presidência em detrimento de Lula,  as Forças Armadas estavam aquarteladas.

No 2º Batalhão da Polícia do Exército, em São Paulo,  a tropa permanecia de prontidão, sentada no chão manchado de óleo do pátio das viaturas. 

O ar estava pesado. Poderia até ser furado com uma baioneta dos fuzis fabricados na década de 60, que os soldados usavam. 

Uma hora, um recruta pergunta ao capitão: - Capitão, mas e se o Lula ganhar?

O capitão pensa alguns segundos e, olhando para o nada,  responde: - Nós estamos aqui para garantir a segurança pública.

Até hoje o recruta não sabe  o que o oficial  quis dizer com aquilo.

3 comentários:

uai, mundo? disse...

Tenho uma pista: Como disseram que a esperança ia vencer o medo (isso bem depois), não precisou de polícia. Estamos esperando até hoje essa batalha terminar. Paz e bem.

Marcelo de Andrade disse...

Valeu a visita, Uai Mundo.

Sávio disse...

Fantástica lembrança, combatente... Você precisa escrever algo sobre aquela fatídica palestra daquele Cap. que era gago, da primeira companhia, falando sobre o Movimento Comunista Internacional!